sábado, 30 de maio de 2009

A IMPORTANCIA DA MEMÓRIA DO CORPO

Todo ser humano que chega aqui, neta existência, tem de passar por certos processos de aprendizagem. Mas existe o processo básico! Esse processo eu chamaria de formação de memórias do corpo. Não sou especialista nisto, mas sei de longe que o processo de evolução nos é demonstrado no útero. Aquele período é uma evolução em miniatura. Tudo tem de ser visto novamente para que as células componham suas memórias. Se as células não passarem por todo o processo evolutivo, elas não serão células humanas capazes de se desenvolverem. Assim, entendo que os nove meses de gestação é uma evolução comprimida, porque contém condensados milhões de anos de toda uma evolução humana – o que dá ao corpo uma memória própria. É claro que também existe o outro aspecto da mesma moeda – a memória psicológica –, mas eu não vou comentar! Por fim e para ser mais claro em minha abordagem, lhes digo como exemplo que uma das memórias do corpo é a fome e, o corpo não pode sobreviver sem ela. A mente tem suas memórias, mas elas não são instintivamente para sobrevivência do corpo. Se você diante de uma situação ficou com raiva, existem duas possibilidades: tal raiva pode ser memória do corpo ou da mente. Se sua raiva tiver um valor de sobrevivência, se você não puder sobreviver sem ela, então é uma memória do corpo. Mas, se tal raiva não tiver valor de sobrevivência, então será apenas uma memória mental, um hábito da mente.

Edson Carmo

2 comentários:

lumenamena disse...

Concordo plenamente consigo.
Todos sabemos que o segredo da vida é, de facto fascinante. Todo o ser humano tem uma memória genética, que tem a informação da vida, que diz tudo acerca de nós próprios.
Já dizia o poeta e médico, Erasmus Darwin, que a vida consiste na capacidade de criar ordem, e que os cromossomas contém o segredo da vida, uma espécie de escrita em códigos genéticos.

Um bem haja

Edson Carmo disse...

Lumena,

Obrigado pelos seus sempre ricos comentários. Entendo que todo ser humano é feito por seu pai e sua mãe e, ambos podem colocam em seus materiais genitais suas emoções e tantas outras agregações. Se uma criança é gerada em amor, creio que ela terá uma qualidade diferente daquela que é gerada por meio de um estupro.

Edson Carmo