sábado, 1 de maio de 2010

O Amor Não se Faz, Ele Simplesmente Acontece!


Eu, já vivi para saber ao certo que não se pode fazer o amor, se pudesse, todos teriam o seu – e seria grande e majestoso. O amor não se faz, ele acontece espontaneamente em nós – é um milagre. Também, uma vez que o amor acontece, não se pode destruí-lo.
Duas almas que se amam poderão separar-se, mas nada adiantará, os seus corações estarão sempre ligados, juntos. A separação não pode separar corações que se amam; a separação só faz com que os corações que se amam sofram, mesmo quando acontece o consolo, de um outro relacionamento afetivo.

Entenda: As energias do Universo, conspiram a favor do amor. Porque é o amor quem dá o sentido mais amplo e significativo à vida. O Universo encarrega-se de mostrar, que se não fôr o amor, não há outras experiências que possam nos dar a plenitude, a beatitude, a alegria e o prazer de estar perto de outra pessoa. Porque é o amor que faz com que uma pessoa seja o nosso complemento.

Quando estamos com a pessoa que amamos, consciente ou inconscientemente estamos arrebatados por uma felicidade extrema. Através do amor conheci a minha própria alma. Através do amor me atrevi a trilhar o meu interior, e conheci os meus enigmas.

Por isso te peço, escuta atentamente a voz do teu coração, ele te contará toda a verdade que necessitas saber, e te fará perceber todo o sentimento que é verdadeiro. Ninguém mais te dirá as maiores verdades, senão, as que o teu coração tem para te contar.

Predispõe-te a ouví-lo, e dele ouvirás as palavras que mais te transformarão. Se te predispuseres a entrar profundamente dentro de ti mesma, reconhecerás na tua alma, a alma de quem tu amas. Elas não estão separadas, elas estão juntas para sempre.

Edson Carmo

21 comentários:

Luana disse...

Que lindo!!!

LUmeNA disse...

Que texto lindíssimo!
Simplesmente lindo!

Um texto escrito com simplicidade quase mágica e encanto.

O amor é incrivelmente poderoso. Ele pode mudar tudo e faz renascer o sentido da vida.
Um ser humano é tão permamente quanto uma estrela, ambos são iluminados pela certeza do Amor, desse Amor de esperança.

As almas que se amam nunca se podem separar, elas se encontram, simplesmente pela semelhança das suas almas, se compreendem para além das palavras, sentem falta uma da outra e se completam na sua essência, mesmo estando em lugares diferentes.
Almas que se encontram nunca mais se sentirão sozinhas e se têm para toda a eternidade.
Escutar o coração é escutar a voz da alma e ficar em silêncio se sente paz, como se víssemos nitidamente o sorriso da energia divina.

Um Forte Abraço,
LUmeNA

Edson Carmo disse...

Querida amiga Luana,

Fico mais feliz por ter falado algo que contém acordes de beleza. Obrigado por manifestar a letra dessa música.

Beijos no coração,

Edson Carmo

Edson Carmo disse...

Querida amiga Lumena,

Seu comentário é pura poesia, tem o aspecto de quem conhece tal amor. Parabéns! Obrigado por fazer parte desta tão bela sinfonia.

Beijos no coração,

Edson Carmo

Eduardo Medeiros disse...

Eson, de fato, um texto com muitas verdades ditas poeticamente. Mas agora, uma pergunta: você não acredita que podemos decidir amar alguém? Não falo aqui de atração física, que como já diz o nome, é mais física do que qualquer outra coisa. Mas o amor é algo que nasce para além do físico. Uma atração pode até ser irracional, por focar somente o objeto que lhe atrai, mas um amor verdadeiro não, assim penso. Podemos decidir?

abraço

Eduardo Medeiros disse...

desculpe Edson, pelo "eson"..rsssss

Lórah Claus disse...

Ahh meu kerido amigo... eu ultimamente tenho mesmo ouvido o meu coração.. e tenho sido extremamente feliz...... hj eu posso dizer que seu o significado da palavra "Amor", que vc descreveu tão bem..
ótima semana pra ti

Edson Carmo disse...

Meu querido amigo Eduardo Medeiros,

Muitos decidiram e não conseguiram. E por quê? Porque a tal decisão manifestou-se na forma de obrigação: “eu tenho de fazer isso, eu tenho de fazer aquilo, porque quem ama faz”. Então o corpo começou a mostrar do lado de fora o que não aconteceu do lado de dentro.

Em primeiro lugar eu quero lhe dizer que, todo fazer sem ser é falso. Como eu posso produzir amor sem ser amor? Como eu posso dar o que não tenho? Poderia produzir um fruto espiritual sendo eu carnal? Poderia a bananeira dar mangas só por causa de uma decisão?

Em segundo lugar quero lhe dizer que todo trabalho cansa, além de trazer a idéia intrínseca de recompensa, salário. É assim que as pessoas um dia cansam de serem boazinhas, porque não foram devidamente recompensadas.

De fato o amor só acontece no encontro intimo com Deus, posto que Deus é Amor. Segundo o Apostolo São Paulo, em 1 Cor. 13, podemos decidir fazer muitas coisas, e elas podem estarem vazias de amor.

Se não me fiz entender, por favor faça uma nova abordagem.

Gostaria de agradecer-lhe por sua rica contribuição e participação.

Um grande abraço do amigo,

Edson Carmo

Edson Carmo disse...

Minha querida amiga Lórah Claus,

Fico mais feliz pelo fato do Amor está acontecendo em sua vida. Muito bom!

Muito obrigado por seu depoimento! Uma ótima semana para você também.

Aceite um abraço do amigo,

Edson Carmo

Eduardo Medeiros disse...

Edson, não pensei em "decidir amar" como um trabalho ou obrigação. Talvez motivado por uma vontade interior incondicional de simplesmente amar alguém por amar, sem esperar a recompensa.

Não foi o próprio Mestre quem disse: "amai...", imperativo, resultado de uma decisão?

"fazer sem ser é falso". Mas será que podemos de fato amar somente quando "somos amor"?

um abraço

Edson Carmo disse...

Meu querido amigo Eduardo Medeiros,

Muito boa intervenção! O chamado do Mestre, a ordenança do Mestre, é para todos.

Estar “motivado por uma vontade interior incondicional de simplesmente amar alguém por amar, sem esperar a recompensa”, é um acontecimento! Quem antecede à motivação? E quem sucede à motivação? Quem está motivando? E quem está sendo motivado? Antes vem o Espírito, depois o seu fruto, o Amor.

”Não foi o próprio Mestre quem disse: ‘amai...’, imperativo, resultado de uma decisão?”

Sim, ele disse, mostrou o ideal. Existem o ideal e o real. E a realidade do homem é o que o Mestre declarou: “sem mim nada podeis fazer”


”’fazer sem ser é falso’. Mas será que podemos de fato amar somente quando ‘somos amor’”?

Me diga: Como sairá água do fogo? Ou como sairá fogo da água? Como a mesma fonte pode sair água doce e amarga?

Se ainda não me fiz entender, por favor faça uma nova intervenção.

Um grande abraço do amigo,

Edson Carmo

Dark angel disse...

De todas as abordagens ao amor esta foi a mais simples e mais incrível que já li. Concordo com tudo e em nenhum pormenor sinto que poderia estar diferente.

O amor de verdade surge sem sabermos como e não desaparece só porque decidimos, existe uma força maior que não é contornável ou controlável.Está lá sempre, na presença ou ausência, na valorização ou desvalorização. Esta é a prova que não controlamos o sentimento de amor, ele vem de Deus, e como Deus é infinito e nós somos finitos, há coisas que nos transcendem, e estas são as coisas que se prendem com a nossa essência, alma, Deus.

Guardei este texto dentro de mim. Nunca me identifiquei tanto com um post. Obrigada Edson.

Dark angel disse...

Seria impossível não lhe retribuir o selo blogue de ouro. Este post será a minha eterna inspiração para a vida, um beijo e um abraço cheios de sentimento de gratidão, Edson!

cantinho she disse...

Ai caramba! Que belo e megainteressante...bjo, bjo! ;)

Eduardo Medeiros disse...

Edson, é que você está interpretando tudo a partir de uma cosmovisõ cristã e eu, não.

Usei a frase de Jesus exatamente para frizar o seu pensamento. E é verdade que há o real e o ideal. Como eu não acredito em dualismo, creio sim, que de uma mesma fonte pode sair coisas diferentes.

Aliás, o próprio cristianismo é um pouco "monista" ao dizer que tudo veio de uma mesma fonte. Evidente que a partir daqui os pressupostos mudam para um dualismo radical: Céu - terra, deus-diabo, carne-espírito, etc.

Mas enfim, não quero entrar num debete teológico-filosófico, pois dentro do que você se propôs, o teu texto é formidável e não quero por assim dizer, maculá-lo com minhas interpretações. rssss

abração

Edson Carmo disse...

Querida amiga Dark angel,

São mui belas as sua palavras, tocantes...

Obrigado duas vezes, por suas palavras e pelo selo.

Aceite um beijo cheio de afeto do amigo,

Edson Carmo

Edson Carmo disse...

Querida amiga Sheila,

Obrigado por seu carinho e incentivo.

Bjo, bjo! ;)

Edson Carmo

Edson Carmo disse...

Querido amigo Eduardo Medeiros,

Admiro sua elegância, sua reverencia, seu respeito... Quero que você saiba que também vejo só um único corpo, um grande corpo – o uni-verso cósmico. Tudo que vemos é um único corpo com incontáveis células – cada uma com seu próprio modo de ser; com sua própria alma e função. Os olhos não podem falar a linguagem melódica, assim como a boca não pode enxergar. Os pulmões não existem para bombear sangue, assim como o coração não existe para inalar o oxigênio. Todas as coisas são partes de um só corpo, e o entendimento disso faz a mente não-dualista. A mente não-dualista não pode interpretar que o homem vive sem a mulher e a mulher sem o homem, porque a mente não dual sabe que o homem sem a mulher é apenas uma metade e não uma unidade. Assim vejo incontáveis coisas formando uma só; vejo um imenso universo feito de incontáveis peças como as de quebra cabeça - e nenhuma é igual a outra, mas ainda assim se completam e se encaixam. De fato, tudo veio de Deus e tudo volta para Deus. Portanto não acredito em dualismo, mas sei que na unidade pode operar duas coisas: a enfermidade/insanidade e a saúde/sanidade. Além da unidade só existe uma coisa: a enfermidade /insanidade.

Obrigado pela colaboração.

Um grande abraço do amigo,

Edson Carmo

Maxwel Quintão disse...

o texto é de facto muito lindo, mas será que o amor não se pode construir com a convivência. por exemplo nas comunidades islâmicas em que os casamentos são arranjados e ao fim de anos de casado as pessoas amam-se verdadeiramente.

Edson Carmo disse...

querido amigo Maxwel Quintão,

Só a convivência revela o amor que já aconteceu. Como ele seria descoberto sem o convívio?

Ótimo comentário!

Abraços do amigo,

Edson Carmo

Anônimo disse...

Querido irmão,
estava eu fazendo uma pesquiza e simplesmente abri este Blog fiquei feliz por isso,pos pude ler palavras lindas e me senti impulsionada a confirmar o fato de que nao podemos decidir amar alguem eu sou prova viva deste texto.A mais de tres anos tento amar outra pessoa e nao consigo eu achava que amor era decisao mais nao é amor é divino por mais que eu tente esquecer o grande amor da minha vida eu nao consigo e até hoje estou sozinha ja tentei tirar esta pessoa do meu coração pergunto a Deus quase todos os dias porque amo esta pessoa mais nao obtenho respostas."O amor é um sentimento que não escolhe tempo e nem espaço ele simplismente acontece e permanece é genuino é por isso que se chama "AMOR"