sábado, 30 de outubro de 2010

A LIGAÇÃO ENTRE A MÁXIMA DE SÓCRATES E A DE JESUS


O filósofo grego Sócrates disse: “Conhece-te a ti mesmo”
O Mestre Jesus Cristo disse: “Negue-se a si mesmo”

Essa é uma única questão em seus dois aspectos. Trata-se de duas etapas de um mesmo processo. E também é algo que deve ser profundamente analisado e assimilado.

Mas do que eles estão falando? O que deve ser conhecido, e o que deve ser negado?

Segundo eles, algo deve ser conhecido, negado e consequentemente abandonado. E se você pode conhecer algo, negar algo, abandonar algo, então esse algo não é você! Porque para haver um processo de conhecimento, é preciso que haja o conhecedor e o conhecido; para haver uma negação e um abandono, é necessário que exista o abandonador e o abandonado. E se esse abandonado for você, então como poderá acontecer o abandono? Quem abandonará quem?

Essa questão não é difícil, mas você não conseguirá compreender essas mensagens se não reconhecer sua originalidade e sua autenticidade – a verdade sobre você mesmo.

Quem é você originalmente? Quem é você autenticamente? Originalmente, autenticamente você é a imagem e a semelhança de Deus.

Acontece que essa imagem e semelhança de Deus foram substituídas: a consciência foi substituída pela inconsciência; a sabedoria pela ignorância; a paz pela guerra; a simplicidade pela complexidade; a naturalidade pela vaidade; o Ser pelo fazer e ter; e assim por diante.

Aqui está uma chave para a compreensão: o homem identificou-se com o seu fazer. Ele pensa que é aquilo que faz – quando o fazer é a conseqüência e não a causa. O homem é a causa, mas ele pensa que é a conseqüência. O homem tem intrinsecamente um grande potencial, então com esse potencial ele faz muitas coisas, e, acaba ganhando títulos. São exatamente esses títulos que o homem pensa que ele é.

O filósofo Sócrates manda que examinemos isso em nós. Já o Mestre Jesus Cristo manda que neguemos e abandonemos tudo isso. O Senhor Jesus manda que abandonemos: os atos egóicos, as contendas, as violências... Ele nos estimula as praticas de amar e perdoar. O Senhor Jesus sabe que todo fazer pode ser mudado, porque o fazer nem sempre está manifesto por meio da consciência, e sim da inconsciência.

É essa a grande questão! Negar a inconsciência e abraçar-se com a consciência.

Você não é o seu fazer! Se você não estivesse presente, quem estaria fazendo? O fazer é por causa de você; você é a causa, o fazer o efeito. Sem você, não existe fazer. Mas sem fazer só existe você. Se você está consciente de quem você é – “a imagem e semelhança de Deus” –, então o que você poderá fazer de mal? Absolutamente nada! Mas se você está inconsciente do que você é, então você poderá ser um ditador, um falsificador, um destruidor...

Assim, Sócrates nos convida a conhecer nossa ignorância, e Jesus, a negá-la e abandona-la.

Edson Carmo

18 comentários:

Sw Anand Avikal disse...

Edson,
É difícil comparar alguma coisa. Tem as circunstancias que foram faladas, o momento da pessoa. Mas, dentro de seu ponto de vista, está correto.
Eu vejo de outra maneira. Um abraço.

Juci Barros disse...

Concordo plenamente com a sua explicação, apenas acrescento que o conhecer-se e negar-se deve ser todos os dias, pois somos pouco a pouco absorvidos pelo que nos cerca e podemos nos perder.
Beijos.

Eduardo Medeiros disse...

Edson, concordo em parte com você. Mas quero destacar uma questão. Você diz que "Se você está consciente de quem você é – “a imagem e semelhança de Deus” –, então o que você poderá fazer de mal?" Com isso você está dizendo que alguém que não acredite em Deus, logo, que não creia que ele é imagem de Deus não é capaz de fazer o bem?

abraços

Gersika disse...

Adorei sua conclusão! Muito boa toda sua reflexão pra ser mais exata. Grande abraço! Apareça pelo meu humilde blog ;]. Bjs!

Edson Carmo disse...

Meu amigo Sw Anand Avikal,

Sócrates falou a uma sociedade que pensava saber alguma coisa; uma sociedade que não percebia sua ignorância. Jesus falou a uma sociedade que precisava negar seu falso centro. Ambos estavam falando contra a falsidade – sendo que uma era intelectual e a outra espiritual.

Estou grato por seu comentário!

Um abraço do amigo,

Edson Carmo

Edson Carmo disse...

Querida amiga Juci Barros,


Concordo plenamente com você! De fato o conhecer-se e negar-se deve ser todos os dias.

Obrigado pelo comentário complementar.

Beijos do amigo,

Edson Carmo

Edson Carmo disse...

Querido amigo Eduardo Medeiros,

Deus existe com a nossa crença ou sem ela – esse não é o ponto.

Deus não pode ser conhecido no nome Deus. Deus é conhecido na Verdade, no Amor, no Espírito, na Vida...

Ninguém precisa acreditar em Deus, se ama, se conhece e vive a verdade. Essas experiências estão além do simples acreditar. Se eu acredito, é porque ainda não experimentei. Se eu experimentei, então eu sei. A experiência é a consciência. Sem a consciência o que existe é apenas a ignorância e alguém divorciado de Deus. O conceito hebraico para luz é revelação. Deus é Luz, Consciência.

Obrigado pela sua participação.

Um grande abraço do amigo,

Edson Carmo

Edson Carmo disse...

Querida amiga Gersika,

Muito obrigado!!

Grato também pelo convite – vou lá sim!

Beijos do amigo,

Edson Carmo

Adh2bs disse...

Prezado Edson;
Sócrates era um mestre dos paradoxos "só sei que nada sei" por exemplo. Jesus vai muito além, seus ensinamentos sempre se estendem para além dos significados aparentes. Me atreveria a dizer que o "negue-se a si mesmo" transcende a ignorância e abrange nosso natural egoísmo (que não deixa de ser ignorância...).
Grande abraço,
Adh

Edson Carmo disse...

Querido amigo Adhemar,

Sim, Jesus vai mais além de qualquer abordagem humana. Só existe ignorância na ilusão, negando ela tudo é revelação.

Obrigado pela participação.

Grande abraço do amigo,

Edson Carmo

Eduardo Medeiros disse...

Edson, achei sua resposta excelente!! De fato, dizer "creio em Deus" ou "não creio em Deus" não quer dizer nada.

No final da história o que mais importa não é o que você crê mas aquilo que você faz.

abraços

Gersika disse...

Obrigada pela visita! ^^ Apareça mais vezes. Bjos!

Edson Carmo disse...

Querido amigo Eduardo Medeiros,

É isso aí! Não importa aquilo que se diz, o que importa é aquilo que se sente e aquilo que se vive – essas coisas sim, são verdadeiras! Deus não é encontrado em palavras, mas no sentir e no manifestar da vida.

Grato por sua participação.

Grande abraço do amigo,

Edson Carmo

Edson Carmo disse...

Querida amiga Gersika,

Que bom que você gostou! Grato pelo convite e a participação.

Beijos do amigo,

Edson Carmo

Lumena Oliveira disse...

O filósofo Sócrates diz para examinarmos toda a nossa "sombra" em nós. Conhecer todas as potencialidades não desenvolvidas, que é a parte do inconsciente que completa o ego. Por sua vez Jesus Cristo diz para negarmos toda a nossa "sombra", que a consciência recusa-se a admitir o ego.
Assim, agindo como Sócrates a nossa ignorância persiste, ficamos encarcerados, somos descendestes da mente grega, a nossa sombra continua a ser um fardo do auto-conhecimento, tudo aquilo que destrói, que não quer ser conhecido.
Aqui, o que é a sombra?
Provavelmente é o ego, toda a parte da inconsciência.
Jesus Cristo nos pede para negarmos a nós mesmos, ora negando, abraçamos a consciência, eliminamos a "sombra", e temos natureza moral para sermos responsáveis.

Abraços,
Lumena Oliveira

Edson Carmo disse...

Querida amiga Lumena Oliveira,

Excelente comentário. Mas tenho uma ressalva a fazer: a natureza do homem que nega a si mesmo não pode ser moral.

Grato por sua participação.

Um grande abraço do amigo,

Edson Carmo

Lumena Oliveira disse...

Edson Carmo,

Grata, por ressalvar as minhas últimas palavras.
A natureza do homem que nega a si mesmo, só pode ser amoralidade.

Um abraço da amiga,

Lumena Oliveira

Edson Carmo disse...

Grato, querida amiga Lumena Oliveira!

Edson Carmo