sexta-feira, 20 de novembro de 2009

COM QUEM VOCÊ ESTÁ SE RELACIONANDO?


Você tem olhado seu amigo, sua amiga, seu namorado, sua namorada, seu esposo, sua esposa, seu chefe... Mas o que você tem visto? A imagem, correto? A imagem que você vê é a formação de que? Das ações e reações dessas pessoas, certo? Essas imagens também são resultados do seu gostar e do seu desgostar, correto? Então o que constitui seus relacionamentos? Uma imagem, um pensamento, correto?

Temos criado imagens, pensamentos a respeito das pessoas e as pessoas a respeito de nós. Mas a relação entre duas imagens é correta? Como podem duas imagens, que são o resultado do pensamento, do medo,..., proporcionar alguma relação de afeto ou amor?

Ter uma relação com o outro só é possível quando não há imagem. Para estabelecer uma verdadeira relação é necessário destruir a imagem, porque não há amor entre duas imagens. Como posso amá-la, amá-lo e você me amar, se você possui apenas uma imagem de mim, e eu uma imagem, uma idéia ao seu respeito?

Edson Carmo

14 comentários:

BERNARDO MOURA disse...

O amor é..

:)

Quando souber a definição digo!

:)

Não há palavras para descrever o amor, o que o torna ainda mais saboroso!

Edson Carmo disse...

Olá Bernardo, seja bem vindo!

Concordo com você! O fato do amor ser indizível faz com que o seu valor também seja incalculável.

Obrigado por seu corajoso comentário, abraços.

Edson Carmo

angela disse...

Uma reflexão bem interessante.
Imagens não amam, no maxímo refletem.
beijos

Gian Fabra disse...

interessante

e se o 'gostar' se der antes de se estabelecer a imagem...

talvez no inconsciente, talvez na alma...

Edson Carmo disse...

É verdade Angela, a lua reflete nas águas tranqüilas, mas o reflexo da lua na água não é a lua.

Valeu querida!

Um grande abraço,

Edson Carmo

Edson Carmo disse...

Olá Gian,

A alma é quem vê através das janelas dos olhos e é exatamente ela quem cria a imagem. É ela quem cria a mulher e o homem dos sonhos.

Obrigado por seu importante comentário!

Edson Carmo

Fabio Faith disse...

Excelente post! parabenssss
Deus te abençoe
teu blog é muito bommm

Edson Carmo disse...

Olá querido Fabio!

Sua opinião para mim é muito importante. Obrigado por dá-la!

Um grande abraço e seja sempre bem-vindo,

Edson Carmo

Eduardo Medeiros disse...

E como é difícil olhar além das imagens não é Edson?

Abraços

Edson Carmo disse...

Eduardo,

Sim, mas quem consegue, vê o reino dos céus.

Abraços,

Edson Carmo

Douglas disse...

Ola meu caro amigo,

fico feliz de saber que mais pessoas nesse mundo estão fazendo a sua história. Parabéns pelo blog. sou um leito compulsivo e hora ou outra estarei por aqui.

grande abraço!
Muitas alegrias em decorrência do sucesso para todos nós!

Edson Carmo disse...

Amigo Douglas,

Compartilho da sua felicidade, e que nossas histórias tenham finais felizes.

Grande abraço e sucesso para todos!

Edson Carmo

Marisa Kimie disse...

Olá Edson...penso nisso tb, na verdade não nos apaixonamos pela pessoa em si, mas pela imagem que criamos dessa pessoa em nossa mente e por isso as decepções surgem, agora como conseguir enxergar o SER na totalidade se criamos crostas ao nosso redor e nem nós mesmos sabemos quem somos?
Dificil lição, mas um dia eu alcanço.
Abraços, belo blog.

Edson Carmo disse...

Marisa,

Nosso problema é que queremos entender todas as coisas intelectualmente. Queremos definir tudo com a lógica, com nossa racionalidade. Ora a vida não é lógica, ela é dialética. Como podemos definir uma constante mudança, se quando acabarmos de definir o momento presente ele já será o passado? E por que que eu tenho de definir se a flor é bonita ou feia? Por que não olhar para ela apenas com consciência, em pleno silêncio? Num momento a flor está plena, no outro ela estará mucha... Por acaso a flor é feia porque está mucha? Ela é bela porque está plena? Isso é pura bobagem, a flor plena ou mucha ela é apenas e nada mais que uma flor! Você diz que nos decepcionamos com as pessoas, mas isso não acontece porque elas estão erradas, isso acontece porque elas não são aquilo que queríamos que elas fossem. Você fala que não conhecemos a nós mesmos, mas quem conhecerá quem? Quem será o conhecido e quem será o conhecedor? Se conseguirmos olhar as coisas apenas com a consciência, então saberemos o que cada uma é.

Obrigado por sua participação!

Abraço caloroso,

Edson Carmo