quarta-feira, 9 de março de 2011

A EMBALAGEM E O PRESENTE


O carnaval deste ano acabou, foi mais uma edição da exibição de belos corpos. Muita “beleza” por fora, e por dentro, muita intenção desrespeitosa e até criminosa. Carnaval é isso: “beleza” na fachada, e por trás muita violência e morte – infelizmente.

Para mim, tudo que é exibível não passa da embalagem de um “presente”, que ao ser desembrulhado, pode apresentar-se bom ou muito ruim.

Neste mundo, as pessoas costumam escolher pela embalagem (aparência), o que elas não lembram, é que terão de ficar mesmo é com o conteúdo interno – ou seja: aquilo que está do lado de dentro da embalagem.

Quando se escolhe pelos seios, pelos glúteos, pelos olhos, pela boca, pelos cabelos – ou qualquer coisa exibível –, também é bom lembrar que se levará para o convívio, os traumas, os ciúmes, as violências, os demônios todos que estão dentro da embalagem. Portanto é bom saber primeiro do conteúdo interno, para depois se apropriar do externo.

Lembre-se do famoso ditado popular: “quem vê cara, não vê coração” e ainda: “nem tudo que reluz é ouro”

Edson Carmo

2 comentários:

Gheni disse...

Nossos pais e avós, com certeza tinham muito a nós ensinar, pena que nem tudo conseguimos compartilhar. Hoje a aprarência física nos escraviza, se temos boa forma o mundo nos abre as portas, paena que as erradas.
Uma boa tarde meu amigo Edson

Edson Carmo disse...

Querida amiga Eugenia,

Você tem razão. Estamos vivendo a maior inversão de valores da história.

Grato pelo comentário. Boa tarde!

Abraços do amigo,

Edson Carmo